Imprensa

01/06/18 19:23

Agrotóxicos: é possível evitar?

O Brasil está entre os maiores consumidores de agrotóxicos do mundo. Assunto controverso, o uso e o consumo de agrotóxico está em debate também no #EuFiscalizo de junho.
iStock-639898846.jpg
Créditos: iStock

O #EuFiscalizo de junho traz reportagens e entrevista especial sobre o uso de agrotóxicos no Brasil. Segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Brasil consome por ano cerca de 300 mil toneladas de agrotóxico. Os estados com maior índice de venda são Mato Grosso, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul, de acordo com balanço do Sindicato Nacional da Indústria de produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg). A soja é a cultura que mais recebe agrotóxico.  

“Nós usávamos o agrotóxico porque primeiro não tinha a conscientização de que causava muito mal. E na produção de produtos convencionais é normal”, explica Valdir de Oliveira, produtor agrícola que abandonou o uso dessas substâncias. Muitos defendem que é possível manter a produção de alimentos sem o uso de agrotóxicos. Para outros, as alternativas ainda não são suficientes. Nesta edição, o #EuFiscalizo mostra caminhos possíveis para um equilíbrio e trata da atuação dos órgãos governamentais.

 O Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo. Algumas pesquisas colocam o país em primeiro lugar. Substâncias proibidas fora do Brasil são usadas aqui. Enquanto isso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reavalia algumas delas. A Agência também mantém o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos com o objetivo de avaliar os níveis de resíduos de agrotóxicos nos alimentos de origem vegetal consumidos pelos brasileiros.

Esta e outras edições do #EuFiscalizo estão disponíveis no portal TCU, no canal do TCU no YouTube e são transmitidas aos finais de semana pela TV Senado e pela TV Câmara.

 

 

 

Acompanhe o TCU pelo Twitter e pelo Facebook. Para reclamações sobre uso irregular de recursos públicos federais, entre em contato com a Ouvidoria do TCU, clique aqui ou ligue para 0800-6441500