Prezado usuário, este portal não é compatível com o navegador Internet Explorer ou outros navegadores antigos.

Recomenda-se o uso de versões atualizadas dos navegadores Google Chrome, Microsoft Edge ou Mozilla Firefox.

Imprensa

Auditoria constata lacunas na criação da Política Nacional de Segurança de Infraestruturas Críticas

Fiscalização do TCU verificou ausência de ações estratégicas sobre a garantia da resiliência de sistemas sensíveis e fase de implementação iniciada sem a instituição da estrutura de gestão
Por Secom TCU
08/05/2024

Categorias

  • Administração

RESUMO

  • TCU realizou auditoria operacional para avaliar a Política Nacional de Segurança de Infraestruturas Críticas (PNSIC), aprovada pelo Decreto 9.573/2018.
  • Foram identificados achados relevantes, que poderão subsidiar as ações voltadas ao aprimoramento da política. Entre eles estão: imperfeições no desenho e na institucionalização da PNSIC, ausência de ações estratégicas sobre a garantia da resiliência de infraestruturas críticas e fase de implementação iniciada sem a instituição da estrutura de gestão.
  • O Tribunal fez determinações e recomendações para a melhoria dos processos.

O Tribunal de Contas da União (TCU) realizou auditoria operacional para avaliar a Política Nacional de Segurança de Infraestruturas Críticas (PNSIC), aprovada pelo Decreto 9.573/2018.

Essas infraestruturas são instalações e sistemas cuja interrupção ou destruição podem provocar sério impacto social, ambiental ou à segurança do Estado e da sociedade. O seu processo de identificação é realizado, desde o ano de 2007, pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI-PR).

O objetivo da fiscalização foi o de avaliar a capacidade de articulação do GSI-PR com outros órgãos e entidades da Administração Pública Federal que possuam algum tipo de responsabilidade na implementação da PNSIC. O trabalho também avaliou as medidas adotadas para cumprimento dos prazos e das metas estabelecidas para as ações estratégicas previstas no Plano Nacional de Segurança de Infraestruturas Críticas (Plansic).

A auditoria constatou imperfeições no desenho e na institucionalização da PNSIC. Apesar de haver objetivos claros, não foi prevista a instituição de indicadores de desempenho, o que inviabilizou o monitoramento, a avaliação e o controle da política pública, e comprometeu sua governança e gestão.

Também foi identificada, no Plansic, a ausência de ações estratégicas sobre a garantia da resiliência de infraestruturas críticas. Apesar das ações realizadas pelos Grupos Técnicos de Segurança de Infraestruturas Críticas (GTSIC) e pelas agências reguladoras de cada setor, seria desejável que a questão também fosse tratada em nível nacional, de forma estratégica.

O trabalho também verificou que a fase de implementação da PNSIC foi iniciada sem a instituição da estrutura de gestão. A não institucionalização do Comitê Gestor de Segurança de Infraestruturas Críticas (CG-SIC), responsável pela governança dessas atividades no âmbito da APF, pode prejudicar a implementação da PNSIC devido à ausência de definição de responsabilidades sobre gestão de riscos. Também há possível comprometimento do acompanhamento das metas e dos prazos estabelecidos para as ações estratégicas previstas no Plansic.

O Tribunal constatou ainda que a implementação da PNSIC não está ocorrendo plenamente conforme o planejado. É incipiente a integração da PNSIC com o Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin), omissão que pode fragilizar a política, especialmente quanto ao monitoramento de ameaças que possam comprometer infraestruturas críticas.

Entre as constatações da auditoria, o TCU verificou ainda falta de dimensionamento dos custos necessários para a implementação da PNSIC.  Como riscos decorrentes dessa condição, encontram-se: a) a possibilidade de que haja a priorização de outras políticas em detrimento das ações estratégicas previstas no Plansic; b) a dificuldade na gestão da implementação do Plansic decorrente do desconhecimento dos custos envolvidos; e c) a dificuldade para o GSI-PR exercer sua função de articulador da PNSIC.

O Tribunal determinou, entre outras decisões, que o GSI-PR estabeleça, em 180 dias, indicadores de desempenho, linhas de base e metas objetivas de entrega de produtos, tanto para a PNSIC como para o Plansic. A Corte de Contas também fez recomendações para melhoria da gestão do sistema.

A unidade técnica do TCU responsável pela fiscalização foi a Unidade de Auditoria Especializada em Governança e Inovação (AudGovernanca), vinculada à Secretaria de Controle Externo de Governança, Inovação e Transformação Digital do Estado (SecexEstado). O relator do processo é o ministro Jhonatan de Jesus.

_____________________________________________

SERVIÇO

Leia a íntegra da decisão: Acórdão 860/2024 – Plenário

Processo: TC 033.045/2023-2

Sessão Extraordinária: 30/4/2024

Secom – SG/pc

Atendimento à imprensa - e-mail: imprensa@tcu.gov.br

Atendimento ao cidadão - e-mail: ouvidoria@tcu.gov.br

Acompanhe o TCU pelo Twitter e pelo Facebook. Para reclamações sobre uso irregular de recursos públicos federais, entre em contato com a Ouvidoria do TCU, clique aqui ou ligue para 0800-6442300