Prezado usuário, este portal não é compatível com o navegador Internet Explorer ou outros navegadores antigos.

Recomenda-se o uso de versões atualizadas dos navegadores Google Chrome, Microsoft Edge ou Mozilla Firefox.

TCU verifica que Benefício Emergencial alcançou bons resultados

TCU verifica que Benefício Emergencial alcançou bons resultados

Acompanhamento do Tribunal indica que o pagamento do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda alcançou resultados satisfatórios, especialmente nos meses de março e abril de 2020

RESUMO:

  • TCU fez o terceiro relatório de acompanhamento da implementação do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, criado como parte das medidas adotadas pelo Governo Federal em resposta à crise do coronavírus.
  • Na avaliação do TCU o pagamento do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), no âmbito do programa, alcançou resultados satisfatórios, especialmente nos meses de março e abril de 2020. Mas a análise do Tribunal não abrangeu os efeitos da pandemia sobre o emprego após o encerramento do programa.

O Tribunal de Contas da União (TCU) emitiu, nesta quarta-feira (14), o terceiro relatório de acompanhamento da implementação do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, sob responsabilidade do Ministério da Economia, no âmbito da MP 936/2020.

O Programa foi criado como parte das medidas adotadas pelo Governo Federal em resposta à crise do Coronavírus. Ele contemplou o pagamento de um auxílio financeiro mensal, denominado Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) aos empregados que formalizaram acordos com seus empregadores para suspensão do contrato de trabalho ou redução proporcional da jornada de trabalho e salário, nos termos da Lei 14.020/2020.

Na avaliação do TCU, o BEm alcançou resultados satisfatórios como resposta imediata do Governo Federal contra o aumento expressivo das demissões observado no início da pandemia, especialmente nos meses de março e abril de 2020.

O Programa teve vigência entre 1º/4/2021 e 31/12/2021, período em que foram registradas mais de 3,6 milhões de requisições de Seguro-Desemprego e 19,9 milhões de acordos de suspensão ou redução de jornada entre empregadores e empregados. Como resultado, foram executados 33,4 bilhões em auxílio direto a 9,5 milhões de trabalhadores.

Apesar da análise positiva do Benefício Emergencial na preservação de empregos, ao menos temporária, o Tribunal não analisou os efeitos da pandemia sobre o emprego após o encerramento da vigência do programa.

A unidade técnica do TCU responsável pela fiscalização foi Secretaria de Fiscalização de Integridade de Atos e Pagamentos de Pessoal e de Benefícios Sociais (Sefip). O relator do processo é o ministro Bruno Dantas.

Serviço:

Leia a íntegra da decisão: Acórdão 855/2021 – Plenário

Processo:  TC 016.769/2020-1

Sessão: 14/4/2021

Secom – SG/pn

Atendimento ao cidadão - e-mail: ouvidoria@tcu.gov.br

Atendimento à imprensa - e-mail: imprensa@tcu.gov.br