Prezado usuário, este portal não é compatível com o navegador Internet Explorer ou outros navegadores antigos.

Recomenda-se o uso de versões atualizadas dos navegadores Google Chrome, Microsoft Edge ou Mozilla Firefox.

Imprensa

Inaugurada Biblioteca de Artes Marcantonio Vilaça no Centro Cultural TCU

O ambiente foi elaborado para abrigar o acervo de cerca de mil livros doados pela família do galerista Marcantonio Vilaça, e está instalado dentro da Biblioteca Ministro Ruben Rosa, no Instituto Serzedello Corrêa (ISC)
Por Secom TCU
08/07/2022

Foi inaugurado, no dia 30 de junho, o novo espaço da Biblioteca de Artes Marcantonio Vilaça. Instalado dentro da Biblioteca Ministro Ruben Rosa, no Instituto Serzedello Corrêa (ISC), o ambiente foi elaborado especialmente para abrigar o acervo de cerca de mil livros doados pela família do galerista ao Tribunal de Contas da União (TCU). O local é perfeito para quem quer descansar a cabeça dos estudos conhecendo um pouco mais sobre a história da arte e, claro, para os interessados em pesquisar o tema.

WhatsApp Image 2022-06-30 at 22.04.58 _5_.jpegA placa inaugural foi descerrada pela presidente do TCU, ministra Ana Arraes, e pela diretora-geral do ISC, Ana Cristina Botelho. Em seu discurso, a presidente ressaltou a importância da atuação artística de Marcantonio Vilaça. “Ele soube, sem dúvida, admirar a arte e captar sua essência como poucos. Reconhecido entusiasta das manifestações artísticas e celebrado galerista, tornou-se um dos maiores colecionadores da arte contemporânea brasileira e lançou muitos artistas no mercado nacional e internacional, graças a seu acurado olhar contemporâneo e à seriedade com que se dedicava ao trabalho.”

A ministra apresentou, ainda, um pouco da história do marchand, cuja trajetória começou em Recife, quando esteve à frente da Galeria de Arte Contemporânea Pasárgada. “O espaço foi responsável por dar maior visibilidade a expoentes da geração de 1980 das artes plásticas brasileiras.” Dois anos depois, em São Paulo, ele inaugurou a Galeria Camargo Vilaça, “que se tornou a mais valiosa referência da arte nacional nos anos 1990”. Vilaça também foi crítico de arte no jornal Folha de São Paulo e diretor da revista especializada Galeria, entre outras atribuições e atuações.

No Tribunal, em 2003 foi criado em sua homenagem o Espaço Cultural Marcantonio Vilaça e, em 2009, foi inaugurada a Biblioteca de Artes Marcantonio Vilaça, especializada em arte e cultura visual, com livros, catálogos, periódicos e publicações. “E hoje, neste evento, o Tribunal passa a oferecer à biblioteca novas e especiais condições de acomodação, reafirmando o compromisso assumido há quase 20 anos de criar seus espaços culturais e realizar ações e projetos artístico-educativos para a população como elemento de construção do cidadão participativo e consciente”, declarou Ana Arraes.

♦️ A realização de um sonho ♦

Ana Cristina Botelho conta que o espaço é um sonho que foi concretizado aos poucos. “Esses livros estavam em uma parte da biblioteca [Ministro Ruben Rosa], destacada, mas nós queríamos colocá-los em um local de maior destaque, porque é um acervo enorme do artista Marcantonio Vilaça, que é um artista reconhecido nacional e internacionalmente, além de consagrado com vários prêmios.”

A diretora-geral do ISC reforça a importância da ação: “Nada mais justo do que dar este espaço para esse acervo, para que as pessoas possam ter um acesso mais fácil, conforto para revisitar essas obras, fazer suas pesquisas e até ter um momento de lazer olhando e pesquisando o que essas obras têm de melhor, que é a história da arte”.

Segundo a chefe de serviço de Gestão de Biblioteca e Arquivo, Ana Claudia de Carvalho Cabral Lopes, foi realizado todo um trabalho de catalogação e indexação dos livros. “Eles foram incluídos em nosso sistema de gestão de livros, de bibliotecas, e agora fica mais fácil de serem localizados, estão mais acessíveis a todo público que quiser ter acesso a esse amplo acervo de artes.”

Ela conta que todo um tratamento foi dado às obras: “Inicialmente, foi feita uma higienização de todo o material. A gente conta aqui no TCU com auxiliares de conservação, que fizeram esse preparo do material para vir para cá. Depois, passou por essa parte que a gente chama de processamento técnico, que é classificar, indexar e colocar no sistema”.

A Biblioteca de Artes Marcantonio Vilaça é aberta ao público em geral, de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 18h, porém o acervo não está disponível para empréstimos, somente para pesquisa no local.

 ♦️ Centro Cultural TCU ♦

 

Centro Cultural TCU promove a interlocução entre o Tribunal e a sociedade por meio de artehistória e arte-educação. Sua atuação integra a produção cultural ao controle externo, abrindo espaço também para a inovação, a criatividade e a construção de conhecimentos que possam auxiliar o público a compreender o papel do TCU e de cada cidadão no sistema de controle.

Vários alunos de escolas públicas visitam o local, participando do Programa Educativo. Em cada exposição, é produzido um material didático, que é distribuído aos estudantes durante a visita, com informações sobre as mostras e propostas de atividades. O Programa Educativo visa estabelecer um momento de diálogo, de inserção das obras em contextos possíveis, cujo foco é fornecer acesso e subsídios para que o público conheça e reflita sobre arte e sobre sua própria realidade.

Confira abaixo o vídeo sobre a inauguração da Biblioteca. 

 

 

Centro Cultural do TCU e Biblioteca de Artes Marcantonio Vilaça- 30/06/2022

 

Serviço

Atendimento ao cidadão - e-mail: ouvidoria@tcu.gov.br

Atendimento à imprensa - e-mail: imprensa@tcu.gov.br

 

Acompanhe o TCU pelo Twitter e pelo Facebook. Para reclamações sobre uso irregular de recursos públicos federais, entre em contato com a Ouvidoria do TCU, clique aqui ou ligue para 0800-6442300