Prezado usuário, este portal não é compatível com o navegador Internet Explorer ou outros navegadores antigos.

Recomenda-se o uso de versões atualizadas dos navegadores Google Chrome, Microsoft Edge ou Mozilla Firefox.

Imprensa

Mercado de gás natural ainda tem elevada concentração de empresas

Acompanhamento para avaliar os riscos e as oportunidades de melhoria na condução da política pública do Novo Mercado de Gás apontou que ainda há elevada concentração do mercado de gás natural
Por Secom TCU
05/10/2021

Categorias

  • Energia

RESUMO

  • Acompanhamento para avaliar os riscos e as oportunidades de melhoria na condução da política pública do Novo Mercado de Gás apontou que ainda há elevada concentração do mercado de gás natural. Dez empresas respondem por 95% da produção nacional de gás natural, com 77% deste total proveniente da Petrobras.

  • A estatal ainda detém domínio sobre os elos de produção, escoamento e processamento, apesar de não mais persistir o controle que a empresa sempre deteve sobre o elo de transporte. Também diminuiu sua participação no segmento de distribuição. Para o TCU, a presença de monopólios naturais é importante falha de mercado.  

O Tribunal de Contas da União (TCU) fez acompanhamento para avaliar os riscos e as oportunidades de melhoria na condução da política pública do Novo Mercado de Gás (NMG), que visa à abertura do mercado de gás natural.

A auditoria apontou que, apesar do fim do monopólio legal estabelecido pela Lei do Petróleo, em 1997, ainda há elevada concentração do mercado de gás natural. Dez empresas respondem por 95% da produção nacional de gás natural, com 77% deste total proveniente da Petrobras.

A estatal ainda detém domínio sobre os elos de produção, escoamento e processamento, apesar de não mais persistir o controle que a empresa sempre deteve sobre o elo de transporte. Também diminuiu sua participação no segmento de distribuição. 

O domínio que a Petrobras detém sobre os sistemas de escoamento e processamento força as produtoras a lhe venderem a sua produção, por falta de alternativa. A solução para tal falha de mercado, segundo o relator do processo ministro Walton Alencar Rodrigues, é o acesso não discriminatório às infraestruturas essenciais, já previsto pela Lei 14.134/2021.

Para o TCU, há segmentos na indústria de gás natural nos quais é possível introduzir a competição. A presença de monopólios naturais é importante falha de mercado, pois representa obstáculo à sua abertura, por estimular a verticalização entre os diferentes segmentos da cadeia. 

Outro problema apontado foi o conflito de interesse central na discussão sobre a abertura do mercado: o desenvolvimento de um mercado livre de gás natural em âmbito federal versus o monopólio estadual das distribuidoras. A falta de clareza legal na distinção entre os serviços de transporte, comercialização e distribuição pode prejudicar o desenvolvimento do mercado de gás no País. 

Por fim, o levantamento também apontou lacunas regulatórias, que representam falhas ou hiatos da regulação atual. Temas centrais como ampliação da capacidade de gasodutos, comercialização, carregamento, tarifas e autonomia no transporte fazem parte da Agenda Regulatória 2020-2021 da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Porém, devido à alta carga de trabalho e à reorganização das demandas, a ANP informou ao TCU que diversos prazos incialmente previstos foram postergados.

Como resultado do trabalho, o TCU informou aos órgãos responsáveis, para que tomem conhecimento e providências que entenderem necessárias, quanto aos seguintes pontos de atenção: a) acesso não discriminatório a infraestruturas essenciais; b) ausência de oferta de serviço de flexibilidade; c) níveis de reinjeção de gás nos poços produtores de petróleo; e d) harmonização das regulações federal e estaduais.

A unidade técnica do TCU responsável pela fiscalização foi a Secretaria de Fiscalização de Infraestrutura de Petróleo e Gás Natural. O relator é o ministro Walton Alencar Rodrigues.

Processo: TC 030.375/2020-7 Sessão: 29/9/2021

Serviço

Leia a íntegra da decisão: Acórdão 2301/2021 – TCU – Plenário

Secom – SG/pn

Atendimento ao cidadão - e-mail: ouvidoria@tcu.gov.br

Atendimento à imprensa - e-mail: imprensa@tcu.gov.br

 

Acompanhe o TCU pelo Twitter e pelo Facebook. Para reclamações sobre uso irregular de recursos públicos federais, entre em contato com a Ouvidoria do TCU, clique aqui ou ligue para 0800-6442300